A Promoção Do Turismo De Portugal Entra Na Era Da Web 2.0 2

A Promoção Do Turismo De Portugal Entra Na Era Da Web 2.0

Não há que esquecer que, de acordo com os detalhes que controla o Ministério do Turismo, cerca de 80% das pessoas que visitam Portugal usa a Internet pra preparar as tuas viagens. A estreia de um ‘brand channel’ (canal de marca) de Portugal no YouTube é uma das apostas mais sérias. Os internautas podem ver de perto trezentos videos classificados por focos (estilo de vida, cultura, esportes e gastronomia), além de ver de perto em tempo real a climatologia do destino que pensam visitar e subir os filmes da tua estadia em Portugal.

O canal bem como acrescenta 13 peças produzidas na Turespaña com a tecnologia fotográfica ‘Timelapse’, que consiste em formar uma imagem em movimento, após a combinação de múltiplas fotos. Foram realizados mais de 300.000 cópias de sombra no decorrer de 18.000 quilômetros percorridos por Portugal. Outra das estratégias de promoção turística do Brasil no exterior passa pelas principais mídias sociais.

A página de Facebook ‘I need Spain’ (Preciso de Portugal) tem com 370 000 ‘fãs’ em o mundo todo e a tua réplica no Twitter chega aos 20.000 seguidores. A Turespaña também criou uma ‘fan page’ (página de ‘fãs’) no Facebook de qualquer um dos postos de Turismo (OET), com o objetivo de interagir com os internautas em seus próprios idiomas. Estas páginas adicionam, assim como, com um aplicativo que permite que as OET realizar pesquisas, concursos e criar este artigo as imagens dos usuários que viajam para o nosso estado.

Todo um nação de língua castelhana opta alterar o seu topónimo e nós nos apegamos à pré-história para não fazer nem caso pra tal mudança. Isto não é uma enciclopédia em idioma português? Cuzco ou Cusco, O Por que não aceitar a vontade de todo um nação? Também eles renunciaram a usual Cusco.

ficamos atrasados, queridos companheiros, continuamos sendo calisto (eu a todo o momento pensei que isto era data franquista, entretanto vejo que o general não tem culpa de nada). Nada de traduzir, se coloca o nome em português, se existem as fontes. Com relação aos de língua espanhola da América, se têm qualquer coisa a contar neste momento o que vão dizer, eu não acho que precisam de socorro.

Franxo, perdoe-me se a minha mensagem não foi claro, de verdade, nunca, nunca foi minha pretenção ser antipática contigo, cometeria uma vasto injustiça. A Chucao: esta sim que é bacana, você me deixou de uma peça. Isto é, que encontra que isto é uma guerra de banderías e que o único que te importa é o resultado fim: topônimos em português, pra que possam compreender. Pois que saibas que para entrar a isso, existe um longo caminho que deveria primordial, há autoridades por intermédio de, há tradições, etc

Franxo, mais uma vez me dirijo a ti. Por que tem de se traduzir o nome desta ou de outras igrejas e não estes nomes tão especiais de centenas de músicas que temos no Wiki. Acho que deveríamos tentar transportar essa discussão de forma mais judiciosa, seria muito mais sábio. Reitero: a discussão não é o que executam as wikipédias em língua catalão, galego ou vasco, contudo o que fazemos nós aqui, com este dificuldade que temos entre mãos e que, em todos os anos que leva a criar-se, nunca foi resolvido.

  • Lista como Sob Vigilância por RSF, em 2012.[4]
  • Desenvolvimento organizacional e motivacional
  • Cuide de seu perfil e utiliza Hashtags de propriedade
  • Loja online

Seria de agradecer, também, uma questão de WP:NFP sobretudo, incapacidade de se qualificar nós mesmos, por nossa conta e risco, como são as fontes. É irrelevante que consideramos uma fonte ou outra, como “política” ou como “politicamente correta”. Isso significava que eu não poderia estar mais claro. No término. Não há dúvida que, em razão de existem considerações divididas e fundamentadas ambas (e, bem como, críticas sem fundamentar em ambos os lados) o ótimo que poderíamos fazer seria abrir uma enquete a respeito do tópico. A minha ideia é que se utilizem outras fontes para confirmar que esses nomes se seguem, empregando ou se, pelo contrário, ficaram reduzidos a fósseis.

Por exemplo, pode reivindicar que o topónimo em português esteja confirmado por um mínimo de três referências distintas de publicação posterior ao último dos dicionários, que tomamos como fonte. Podem ser publicações por exemplo: jornais, livros, o próprio BOE, etc., 1. O topônimo habitual espanhol que apareça cadastrado em ao menos um desses dicionários de nomes: – Neto, Dionísio: Breve dicionário de topônimos portugueses.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima