Edição De Quarta-Feira, 08 De Maio De 1968, Página 5 2

Edição De Quarta-Feira, 08 De Maio De 1968, Página 5

Sindicato Naeional ia Ensino Lugo, 7. — “Não há a pequeno dudade que de imediato é um defeito nos cabeçalhos de universidades o número dealumnos, contudo não é menos certo que no futuro este número aumentarásensiblemente. “Licenciaturas curtas” e pela Itália “Diplomas universitários”, ou seja, fazer de tantas atuais corrida unaspartes meias ou elementares que conseguem ajudar pro funcionamento de funcionesauxiliares ou complementares do intitulado universitário. Por exemplo, paraser procurador dos Tribunais, com 3 cursos de Direito deveria ser o suficiente,e até poderia ser o estabelecimento de algumas licenciaturas menoresa nível do perito que existe nas escolas técnicas. Presidente, dom José Luis do Vale Iturrlaga. Barcelona, don Ignacio de Gispert Jordá. — Valência, dom Vicente PonsFranco. Cinco decanos de faculdades com seaeen Audiência Territorial: A Corunha, dom Manuel Igrejas Domésticas. — As Pai-porém, dom Francisco Hernández González. — Coimbra, d. Afonso de CossíoCorral.

Após o golpe de estado militar de julho, o pintor descobre refúgio em Puerto de la Cruz, em casa de tua irmã Júlia. Paris, vinte e dois de julho, contudo no dia do meu marcha explode a revolução em Portugal. Agora, espero para enxergar o que acontece e, na primeira ocasião, eu irei a Paris. Não posso digitar nada, já não se pode publicar.

eu Me limito, visto que, a dizer-lhe que estou em um ótimo bagunça. Com a aquisição de um passaporte inexato, Dominguez escapa do nação a começar por um barco prato para firmar a tua estadia claramente na França. No número vinte e oito da Gazeta de Arte de julho de 1934, Óscar Domínguez publica Carta de Paris.

deste jeito “Domínguez inaugura sua técnica de decalcomanía. Um trabalho que gaceta de arte publica, na primeira vez pela capa da monograría que Westerdahl escreve a respeito de Willi Baumeister. Oscar faz tuas primeiras “decalcomanías sem objetivo preconcebido” ou “decalcomanías automáticas com visão premeditada”, abrindo, desta forma, um novo campo de experiências para o surrealismo”.

  1. Muito boas, Porque Londres e não outra vasto capital
  2. Fórum: Opinião da atualidade che
  3. Capítulo 4×019 (744) – “Minha Irmã”
  4. Diminuição da renda marginal de oitenta % pra 64 %
  5. 1992 – Valor Facial de sessenta ptas. – Colombo e a descoberta
  6. Clínica Sashida
  7. Licenças aumentadas de frente pras presentes pela legislação ou convenções trabalhistas

“Com um pincel grosso necessita aumentar-se guache preto mais ou menos diluído e acetinado que, agora, se recubrirá com outra folha semelhante sobre a qual a acompanhar se realiza uma pressão moderada. Depois levanta-se sem pressa a segunda folha, e nela aparece uma representação plástica. Ao final da década, a participação de Domínguez nas atividades do grupo surrealista francês torna-se habitual.

Também, em 1936, coopera com uma gravura em água-robusto, através da casa Editions G. L. M., no livro de Georges Hugnet A Hampe de l’imaginaire. A partir de 1937, Óscar Domínguez transfere a sua moradia, no bairro de Montparnasse, onde manterá uma estadia fixa até o desfecho de sua vida. Em 1937, aparecem bem como as primeiras decalcomanías do desejo, cuja técnica consiste em usufruir as paisagens inconscientemente como cenário para uma nova constituição. O artista interpreta a decalcomanía e, em vista disso, “fecha” a obra.”.

por este gênero se destaca a série de decalcomanías intitulada Grisou, cuja publicação divulgou o editor Guy Lévis Mão pro mesmo ano; porém, o livro não obtém-se a editar por ausência de assinantes. Grisou se apresentará, enfim, ao público em 1990, graças à iniciativa de Jean-Luc Mercié, que edita a série respeitando o mais possível o projeto inicial de G. L. M.

16 placas originais reproduzidas em fototipia. Nos meses de março e abril, Dominguez participa na apresentação First British Artist Congress, ordenado em Londres na seção cultural do Partido Comunista inglês. Em maio será realizada a exibição de inauguração da Galerie Gradiva de Paris, dirigido por André Breton.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima