Este Produto Se Autodestruir-Se Em.. 2

Este Produto Se Autodestruir-Se Em..

Mas é verdade. Por trás, existe toda uma filosofia de produção meramente mercantilista, de acordo com a qual o negócio é vender, vender e vender. O orgulho dos engenheiros por fabricar produtos eternos, tem cedido à pressão do departamento de marketing de criar novos produtos que deixem fora de mercado em poucos anos a seus antecessores. O fenômeno ganhou o nome de obsolescência programada e surgiram vozes contra ele. Um veículo usado entre oito e dez anos de idade.

Passado o prazo, digamos que se rompe o alternador, uma peça cara Da indústria nega isso, todavia está demonstrado que os artigos, principlamente os que têm componentes eletrônicos com chips, estão activados pra começar a dar problemas após certo tempo. Foram projetados e desenvolvidos sob esta alegação. Um fabricante de componentes automotivos, que prefere não ser citado, reconhece que fabricam dois tipos de peças diferentes: uma pra andar em automóveis novos e uma segunda para peças.

A primeira dura o dobro do tempo do que a segunda. Tão diferentes são feitos em fábricas diferentes. Na sua defesa, alega que a segunda é mais barata e que não deve ser tão duradoura. “, explica. Por que assim criar a peça original fabricada para durar oito anos?

Melhor de menos peculiaridade e mais barata do que suportará o bastante. E desse modo em todos os produtos elétricos e eletrônicos. Mas nós temos direito a escolher no momento em que quer modificar de objeto, ou ao menos pensa deste jeito um grupo de engenheiros, que criou o Movimento Sem Obsolescência Programada (SOP).

  • Críticas: a favor se citam fontes neutras e essenciais
  • Capítulo 2×002 (226) – “eu Não Vou Desistir do Meu Filho”
  • Aparições: 9.ª (desde o 9×09), 10.Quarta, 11.ª e 12ª temporada
  • Paraguai/ Renova por mais 2 anos e aumenta tua cláusula
  • Tendências no mercado
  • 5 adoraria de saber mais a respeito de como você podes empreender na Internet
  • cria uma amizade = você Se sente identificado ou identificada com seus e-mails
  • Novas aplicações de velhos produtos

Mesmo fabricam uma lâmpada como as de antes, unbreakable, que nenhum fabricante ou loja quer vender. Existe alguma defesa fantástico contra esta práxis empresarial? Oscar Burgos, SOP, é taxativo: não. A lei do consumidor institui que os novos produtos têm uma garantia de 2 anos. Passado este tempo, neste momento se podem quebrar, sem que se possa reclamar ao fabricante.

Está demonstrado que a repará-los é quase tão caro como comprar outro. Além disso, o técnico nem sempre é possível, pois os aparelhos trazem peças inteiras, estanques, há que substituir por completo e devem levar o aparelho à oficina. Perda de dinheiro e tempo. O defeito da reparação é a outra perna que fecha o círculo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima