Havana. Tomos I-II, 1142 Pp 2

Havana. Tomos I-II, 1142 Pp

jambo ou pomarrosa é uma árvore originária da Ásia tropical, pertencente à família das Myrtaceae. Foi cultivado e assim como naturalizada na América tropical continental, e nas Antilhas, onde foi colocado pelos ingleses. Em Cuba, é uma espécie invasora. Árvore pequena de por volta de dez m de altura. Seu tronco é de até dois cm de diâmetro, tortuoso e ramificado, sua casca é lisa e de coloração entre o cinza e o castanho.

Tem folhas descomplicado de dez a 25 cm × 3 a 5 cm , com ápice acuminado e base estreita. São de cor verde-pálido, com pontos translúcidos e nervuras proeminentes na face abaxial. Os pecíolos são de cinco a nove cm de comprimento. As flores são grandes e são agrupados de 4 ou 5, suporta a maioria terminais. O fruto é uma baga redonda, de 2 a cinco cm de diâmetro, com os lobos do cálice, no ápice em forma de coroa. A cor é amarelo-esverdeada, às vezes com tintura qualquer coisa avermelhado. Sua massa é branca, firme, grossa e insuficiente suculento.

Tem 1, ou improvavelmente até 3, sementes grandes e soltas, de cerca de 1 cm de diâmetro, arredondadas, de cor castanho. Floresce e frutifica durante diversos meses, entretanto o pico de frutificação é no verão. Jambo cresce naturalmente no sudeste da Ásia tropical, principalmente em Insulindia. Na América está presente desde a Florida e o sul da Califórnia até o sul do Brasil. Também está presente nas Bermudas e nas Antilhas.

Em Cuba está naturalizada por todo a nação. O México bem como tem de desenvolver-se esta fruta tropical. A pomarrosa está presente em Cuba desde antes de 1875. Expandiu-Se em todo a nação, em locais úmidos, com altitudes acima do grau do mar de baixas a médias. É uma planta invasora das margens dos rios e riachos, onde forma bosques densos e viaja para a vegetação nativa.

  1. 90 | 34.Noventa e cinco
  2. 3 Base doutrinária da medicina ayurvédica 3.1 Os três doshas
  3. 1 Complicações agudas
  4. Fadiga crônica
  5. 1 bife de vitela assado
  6. Pão feito com farinha branca
  7. Cemitério Santiago Apóstolo de Villafranco do Guadiana
  8. Salada de repolho com cenoura ralada e molho de iogurte

Também invade os montes semicaducifolios sobre isso solos úmidos, não calcários. O que as sementes possam flutuar e tua alta técnica de germinação ajudam tua prática invasora. O fruto poderá ser consumido fresco, porque é adocicado, com cheiro a rosas. É muito abundante em pectinas e insuficiente ácido, com ele poderá-se preparar geléias ou compotas. É agradável também pra aromatizar molhos e cremes. As flores bem como são comestíveis.

É uma fonte moderada de vitamina C, beta-caroteno, fósforo, cálcio e ferro. As raízes se diz que têm efeito a respeito da epilepsia. As sementes trituradas são usados em Salvador pra tratar a diabetes. A parcela externa da casca tem propriedades vomitivas. A divisão interna da casca tem propriedades purgativas. As folhas são usadas em infusão para perda de calorias, devido ao teu alto teor em iodo. A madeira não é duradoura, diante a umidade ou o ataque de cupins.

É proveitoso como lenha e pra fabricação de carvão. Os seus varais são usados pra cujes para curar tabaco (de onde se penduram as folhas pra secar). Os ramos novos são úteis pra fazer cestas. Suas flores são muito visitadas por abelhas. Estas árvores servem como diminui-vento e, apesar de ser invasiva, protegem da erosão às margens das vias fluviais.

Na Colômbia, a árvore vem sendo utilizado tradicionalmente como ornamental em climas quentes, devido à tua baixa manutenção, abundante sombra e rapidamente avanço. Jambos jambos (L.) Millsp. Jambosa jambos (L.) Millsp. Jambosa malaccensis f. cericarpa O. Deg. Syzygium monanthum (Merr.) Merr. ↑ “Jambo”. World Checklist of Selected Plant Families. Betancourt, A. 2000. Árvores de madeiras exóticas em Cuba. Editorial Científico – Técnica, Havana.

Bisse, J. (1988). Árvores de Cuba. Editorial Científico-Técnica, Havana. Roig Mesa, J. T. 1965. Dicionário botânico de nomes vulgares cubanos. Editorial Conselho Nacional de Universidades. Havana. Tomos I-II, 1142 pp. Roig Mesa, J. T. 1974. Plantas medicinais, aromáticas e venenosas de Cuba. Editorial Ciência e Técnica, Havana. Oliveira, C; Figueiredo, V.; Lama, J. 2004. As plantas do nosso jardim. 3. Frutíferas tropicais e tuas receitas. Editorial Projeto Comunitário Conservação de Alimentos, Havana.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima