importa Pouco Se Amanhã os Nossos Lados Serão O Mesmo? 2

importa Pouco Se Amanhã os Nossos Lados Serão O Mesmo?

Há dias que não bebo da garrafa vermelha. Apenas dei dois pequenos sorvos. O primeiro me fez viajar no lombo de bala que atravessou o cogote de JFK. Foi tão rápido que antes de girarme para vê-lo cara a Oswald me incrusté no estofamento do Cádillac presidencial. Do segundo gole tenho o regustillo a leite e essências que sentiu o áspide no momento em que mordeu a mão a Cleópatra. Não é quem me deu esta excelente coleção de garrafinhas de cores.

Mas pela comemoração de amanhã eu penso esvaziar o soco da garrafa azul. Aguardo que amigos meus venham preparados, pelo motivo de você pode elaborar a mundial. O mundo está em totalidade e equilíbrio, porque existe uma interconexão mundial entre tudo o que acontece. Cada evento se relaciona com o outro através de leis causais invisíveis difíceis de dominar. Talvez a sensacional pontaria de um arqueiro da Amazônia é porquê de demissão em Portugal. Eu encontrei de modo lugar a ligação entre 2 desses nós.

  • 1 Mecanismo de ação e formas de emprego
  • Perguntar a respeito do histórico do paciente
  • Caça (perseguição como praga)
  • Spitz, tens a certeza que são populares, por que
  • 3 Montanhas Rochosas
  • Chupa teu prato e os dos outros. Convida-os a chupen do teu
  • Orquestra de Câmara
  • As pevides (sementes) de uvas

Um dia declarei meu carinho a uma mulher e não fui correspondido. Chegaram café, lembre-se que ela pediu sacarina e não tinha. Um bizarro frenesi de superstição levou-me ao pouco a roubar um par de envelopes de adoçante de uma cafetaria. Imediatamente me chamou e fomos. Tinha acumulados 312 envelopes no momento em que lhe pedi em casamento, e se incendiou aquele botequim. Disse-Me que não. Afinal tinha conseguido lançar uma função tripulada a Marte, depois de anos e anos de atraso sobre a data prevista, devido às sucessivas crises que assolaram a economia mundial e que impediram englobar antes o avultado orçamento. A função chegou sem novidade ao seu destino.

O local de descida, havia sido eleito na alta probabilidade de achar ao seu redor indícios de existência no planeta. Efectivamente, lá embaixo estava o mar subterrâneo que se supunha dava sustentação a um ser vivo. Os expedicionários foram mergulhadas e atingiram a outra margem. Os palestinos lhes estavam esperando: “Por favor, dejadnos em paz”, recitavam suas bandeiras.

A ILHA. Gabriel García Márquez, criador de frases. O amanhecer daquele dia, foi exatamente similar em todo o planeta. Referimo-Nos às ações e reações daqueles que em vão tentaram acessar a Internet, a rede mundial de existência. O caos e a inconstância foram tomando conta das pessoas, porque, para aquela época, ninguém necessitava sair de casa para trabalhar ou responder às tuas necessidades. Deste modo, quando a Internet entrou em colapso ao superar a sua prática de armazenamento, ninguém soube o que fazer. Apenas à manhã seguinte, ouvimos desde a remota Ouvir, o som irreconhecível de um telégrafo que tentava se avisar. Foi quando soubemos, os habitantes desta gigantesca ilha, que deveríamos compreender a publicar com lápis e papel.

Ao encerramento, o ninho de metralhadoras foi nosso. Desvalijamos os prisioneiros após ir a faca. Mudamos nossas armas ultrapassadas pelas do adversário, mais modernos. Carregamos com tudo o que pudemos. O transcom vomitou novas ordens, marcando um novo propósito: obedecemos. A sexta competição mundial, continuava devorando o planeta, espoleada pelo Cérebro-Mail Mestre. Dizem que já dura mais de quinhentos anos. Dizem: rumores. Ninguém sabe as razões, ninguém conhece as metas finais. Verifico minha nova arma e faço cegamente as ordens do Cérebro. Uma nova batalha cega que nos espera. Faltava muito insuficiente pra celebrar o campeonato inter-mundial. As notícias sobre isto lesões, treinamentos e anecdotas muitas copaban os meios de comunicação.

A federação havia proibido a participação das espécies com mais de 2 pés. Mas a notícia que ninguém saberia chegou ao escritório da federação 2 dias antes do começo e provocou alarme: camuflados como amadores, 3000 milhões de raquidianos haviam cruzado os controles em tuas naves-população. Exausto da nova ordem mundial do imposto pro IV Reich, o doutor Van Holfgen acionou tua máquina do tempo e viajou de 1000 anos pro futuro. Quando a névoa da viagem relativista se dissipou, descobriram com horror que à sua volta se elevavam brasões e anúncios holográficos do IV Reich.

Viajou 1 mil anos a mais, contudo ao regressar o episódio desolador era o mesmo, embora os avanços tecnológicos lhe deslumbraran. Parou a uma criancinha vestido de uniforme e perguntou: “Como é possível que haja perdurado por tanto tempo essa loucura?”. O menino olhou pra ele assombrado, e apontando tua máquina do tempo, e citou, “Talvez em viagem trouxe você consigo seu próprio tempo”.

O antivirus parou de funcionar. Ela agora é uma Radeck. O ódio que ilumina minhas veias me diz que meu chip marca Nazgar. Finalmente, a quarta batalha mundial chegou até nós: os chips de lado aleatório nos foram ativado. importa pouco se amanhã os nossos lados serão o mesmo? Não posso gostar um cadáver.

eu Abro os olhos e vejo as ruínas de nosso refúgio. Ao meu lado Kary ainda dorme. Eu Me sinto mal. Me arde a cabeça. Um arrepio percorre meu corpo humano: não pode ser, por gentileza, não. Acaricio a pele de meu pescoço. O chip continua como sempre, frio ao toque. Procuro outro similar entre os cabelos de Kary. Meu deus, está conectado: seus leds marcam Radeck.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima