Já O Previsto Pela Literatura 2

Já O Previsto Pela Literatura

Julio Verne disse que “tudo o que um homem podes imaginar, outros poderão fazê-lo realidade”. É o que, na linguagem popular, é conhecida como “a realidade a todo o momento supera a ficção”. As serendipias literárias – que também ocorrem no terreno da ciência e da tecnologia – consistem em uma correspondência, em um achado, o que foi atingido por intuição.

O escritor arma uma construção artificial, concebida, a convicção de verossimilhança e, anos depois, para a idiotismo de seus leitores, acaba se cumprindo. O caso de Verne é espetacular, e eventualmente o mais conhecido. Em seus romances, De da Terra à Lua (1865) e em redor da Lua (1869) relata a chegada do Homem ao nosso satélite natural. Outro dos escritores que, através da intuição ou acaso, se avançou no tempo é Morgan Robertson, que, em 1898, publicou o romance Futility.

trata-Se da história de Titã, o superior transatlântico jamais construído. Como acaba a história? Mas não é só combinar o nome e o trágico destino. Ambos os barcos deixaram de funcionar pela primeira viagem que realizavam, só tinham cinquenta passageiros de diferença, com um número muito parelho de botes salva-vidas. O mais surreal: em tal grau o navio fictício como o real, partindo de Southampton e ambos afundaram no mesmo ponto.

  1. Seis Really Good Movies That Make Muçulmana Look Bad
  2. três Sailor Moon S (Tomo 7 a 10)
  3. “Sonhar com você e sonhar ao seu lado sempre vai ser uma interessante noite. Te amo, minha esposa.”
  4. “eu Sou um vulcão no momento em que me fazes umas festas”
  5. as Façanhas Bélicas
  6. três Como seduzir um homem no veículo

Por tua parte, Jonathan Swift escreveu em As viagens de Gulliver (1726): “são vistos no céu duas estrelas pequenos ou satélites que giram em torno de Marte, têm o nome de medo”. Mais de um século depois, o astrônomo Asap Hall descobriu as duas luas de Marte e as batizou como Phobos – que significa “espanto” – e Deimos – traduzível por “terror”-.

Edgar Allan Poe, em 1838, ele escreveu As aventuras de Arthur Gordon Pym. O poeta nos conta um naufrágio de um barco no oceano Atlântico, perto das Ilhas Malvinas, em que somente sobrevivem 4 pessoas. Sem bebida nem comida, tomam a dramática decisão de matar um dos tripulantes para poder consumir.

O lançam a sorte e cabe a Richard Parker, o cozinheiro da malograda embarcação. Alguns anos mais tarde, em 1884, a história se repete, neste momento já não nas páginas de um livro. Quatro tripulantes, à deriva, tomam a mesma decisão. O acaso é servido, mais uma vez, com um homem chamado Richard Parker.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima