Nesta Nova Economia 2

Nesta Nova Economia

Economia Digital, também conhecida como “Economia da Internet”, “Nova Economia” ou “Economia da internet”, expõe-se a uma economia baseada na tecnologia digital. Atualmente a Economia Digital se foi, entrelaçando cada vez mais com a economia tradicional até um ponto em que é trabalhoso entender a diferença entre elas.

O termo ‘Economia Digital’ foi dado a compreender o livro mais vendido em 1995, “A Economia Digital:Promessa e perigo na Era da Inteligência em rede” do autor Don Tapscott. A Internet podes alterar o modo em que se exercem os negócios. Na última década do século XX, Nicholas Negroponte (1995) utilizou uma metáfora a respeito do método de átomos e tua semelhança com o procedimento de bits.

Ele argumentava as desvantagens é o mais velho (e.j. Nesta nova economia, as redes digitais e a infra-infraestrutura de intercomunicação apresenta uma plataforma global a respeito da qual as pessoas e corporações criam estratégias, interagem ,se comunicam, colaboram e busca de informações. Economia Digital vem sendo instituída como o ramo da economia que estuda o gasto marginal nulo de ativos intangíveis rodovia Internet. A economia digital se mostra como uma nova maneira de criação e consumo, trata-se de um recurso complexo que implica modificações pela organização social, econômica e política dos países.

Assim, as histórias funcionam como ferramenta de transmissão do discernimento em um tema social. O entendimento humano é fundado em histórias e o cérebro humano é composto por máquinas congnitiva necessária para distinguir, lembrar e descrever essas histórias. As histórias se assemelham ao raciocínio humano no significado de que as pessoas pensam em estruturas histórias e pela maioria das vezes, lembram os dados perante a forma de uma enredo. Os factos podem compreender como uma versão mais pequena de uma história maior, com o que o storytelling podes ser um complemento do raciocínio analítico.

As histórias tendem a basear-se em experiências, porém aprender de uma experiência não é automático. Normalmente, uma pessoa primeiro tenta contar a história dessa experiência, antes de advertir seu real valor. Neste caso, não aprende só o que ouve, mas é o narrador, o que bem como se fornece conta de tuas próprias experiências e antecedentes. Este procedimento de storytelling fornece muita segurança, porque o narrador verdadeiramente transmite umas ideias e, com a prática, é qualificado de falar o potencial de um feito humano concreto.

A narração de histórias aproveita o conhecimento existente e constrói pontes, tal a nível cultural como motivacional pra descobrir uma solução. As histórias são uma ferramenta eficaz na educação, visto que os que as ouvem, se sentem envolvidos e, por conseguinte, as recordam. O storytelling poderá ser visto como a base fundamental da aprendizagem e do ensino. Enquanto que o ouvinte se sinta envolvido, conseguirá sonhar novas possibilidades, e será inspirado por experiências transformadoras baseadas na empatia.

  • Filtra usuários que publiquem menos de 5 tweets por semana, e deixe de acompanhar –
  • ISID Advanced Outsourcing, Ltd
  • 2 O procedimento Coué (1926)
  • dois Como dá certo o marketing nas redes sociais
  • Dados, ambientes, assunto (o que?),
  • 2 Aritmética da educação
  • Universidade Autónoma de Nayarit, em Nayarit,
  • Define o teu público-Alvo

Isto requer que o cidadão se envolva ativamente na história, uma vez que observa, escuta e participa com um nível mínimo de orientação. Ouvir um narrador pode formar conexões pessoais prolongadas, simplificar a resolução de problemas e inovadora de oferecer uma percepção compartilhada de debates futuros. Tanto o narrador como o que ouve podem empreender, em conjunto, a busca de melhores práticas e fornecer algumas soluções.

uma vez que as histórias são diferentes camadas de significado, o que se ouve normalmente tem que prestar muita atenção pra identificar o entendimento subjacente ao relato. O storytelling é utilizado como uma ferramenta pra explicar as criancinhas a seriedade do respeito por meio da prática de ouvir. Serve também para conectar as gurias com o seu recinto através do tópico das histórias e lhes dá independência ao poder usar as frases e conceitos repetidos em todas elas. Com a narração de histórias lhes ensina o respeito a qualquer tipo de existência, o valor da interconexão e como acrescentar a resiliência.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima