Processo De Bolonha 2

Processo De Bolonha

Processo de Bolonha, somente indica pra privatização e mercantilização da educação pública e da educação em geral. 4.° Intercâmbio entre universidades. Dez anos depois, foi assinada a Declaração da Sorbonne (vinte e cinco de maio de 1998), numa reunião de ministros de Educação de quatro países europeus (Alemanha, Itália, França e Reino Unido). A principal reforma consistiu em criar um Espaço Europeu de Ensino Superior competitivo e que possa ser atraente em tão alto grau para estudantes e professores, como pra terceiros países.

Adopção de um sistema facilmente legível e comparável de titulações. A convergência europeia só se fornece a grau de reconhecimento de titulação e não de conhecimentos. Partindo do modelo anglo-saxão, as titulações consistirão em um primeiro passo de feitio genérico de 3-quatro anos de Graduação, e um segundo ciclo de 1-dois anos para a especialização, o Mestrado e/ou Doutorado.

  • Quatro Quarta viagem (1608)
  • O empregado adquire um significado de pertença, segurança e sente-se motivado
  • Qualquer que possa ser comercializado pra pagar uma dívida
  • 3 – Utilize seus recursos
  • Capítulo 3×004 (482) – “Esperando O Fantasma”

Embora, geralmente, a maioria dos países da União optaram pelo sistema de três anos no primeiro período e dois anos no segundo período; avanzándose nos países que compõem a exceção pro sistema majoritário. Esta especialização terá um preço próximo a 2.000 euros por curso.

Decreto-55/2005 Terça-feira, vinte e cinco de janeiro de 2005 BOE num. Promoção da cooperação europeia pra proporcionar a peculiaridade da educação superior. Promoção de uma tamanho europeia da educação superior. Em abril de 2008, o Conselho Europeu e o Parlamento europeu adoptaram o chamado Quadro Europeu de Qualificações pra aprendizagem no decorrer da vida (QEQ-MEC). O QEQ é uma recomendação aos Estados-membros e instaura o ano de 2010 como data limite para que os países realizem os ajustes entre os seus sistemas de qualificações e o saber-fazer, e o ano de 2012 como data de aplicação completa. O QEQ é uma ferramenta pra alavancar o chamado ” aprendizagem ao longo da existência.

Seu objetivo é vincular os diferentes sistemas nacionais de qualificações a começar por oito níveis de referência comuns a toda a Europa e que abrangem desde os certificados de educação escolar até o doutorado. Dada a diversidade dos sistemas educativos europeus, o QEQ define os níveis de fonte em termos de resultados de aprendizagem e não em atividade do próprio sistema de ensino, como a criação e as disciplinas que compõem um grau. Conhecimentos: teóricos e/ou factuais.

Habilidades: “cognitivas (utilização de pensamento lógico, intuitivo e criativo) e práticas (fundadas pela destreza manual e o jeito a métodos, utensílios, ferramentas e instrumentos)”. Competência: responsabilidade e autonomia. Avaliação contínua: acompanhamento diário para o trabalho pessoal do aluno por intermédio de considerações contínuas. Para fazer a avaliação contínua é propõem, principalmente, duas ferramentas: o uso de todas as experctativas que dá Internet e as recentes tecnologias TIC e as tutorias pessoais. Ensino prática: intervenção ativa do aluno a começar por exercícios, serviço em grupo, práticas profissionais, etc

As universidades necessitam financiar-se mais pelo que exercem do que pelo que são, focalizando o financiamento mais em resultados primordiais que os insumos, e adaptando-as à diversidade de perfis institucionais. Isto não tem que significar uma perda em termos absolutos do gasto público universitário, mas sim que o sistema passa a ser público a ter um sistema misto de financiamento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima