Sistema De Integração Centro-Americana 2

Sistema De Integração Centro-Americana

O Sistema de Integração centro-americana (SICA) é o quadro institucional da integração da localidade centro-americana, feito pelos Estados de Guatemala, El Salvador, Honduras, Nicarágua, Costa Rica e Panamá. Posteriormente, aderiram como membros plenos Belize, no ano de 2000 e, a começar por 2013, a República Dominicana. O Sistema conta com um grupo de países Observadores Regionais e Extrarregionales. Os Observadores Regionais são: México, Chile, Brasil, Argentina, Peru, Estados unidos da América, Equador, Uruguai e Colômbia. Por outro lado, são Observadores Extrarregionales Taiwan, Espanha, Alemanha, Itália, Japão, Austrália, Coreia do Sul, França, a Santa Sé e o Reino Unido. Atualmente, o Haiti localiza-se em recurso de incorporação sob a classe de Observador Regional.

A criação do SICA foi apoiada na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em sua Resolução A/quarenta e oito L de 10 de dezembro de 1993, ficando o Protocolo de Tegucigalpa, devidamente registrado perante a mesma. Isso permite que seja invocado internacionalmente e, além do mais, permite que os órgãos e corporações regionais do SICA comparar-se com o Sistema das Nações Unidas.

O Sistema de Integração centro-americana (SICA), tem por objetivo fundamental para alcançar a integração da américa Central pra constituirla em uma região de paz, independência, democracia e desenvolvimento. Consolidar a democracia e avigorar tuas instituições sobre a apoio da vida de Governos eleitos por sufrágio universal, livre e secreto, e do estrito respeito aos Direitos Humanos. A promoção de um regime imenso de independência que assegure o desenvolvimento pleno e harmonioso do sujeito e da população no seu conjunto. Obter um Sistema regional de bem-estar e a justiça econômica e social para os povos centro-americanos. Alcançar uma combinação económica e consolidar o sistema financeiro americano.

Fortalecer a localidade como um bloco econômico pra, dessa maneira, entra triunfalmente na economia internacional. Reafirmar e avigorar a autodeterminação de américa Central, em tuas relações externas, através de uma única estratégia que reforce e amplie a participação da região, em teu conjunto, em âmbito internacional. Promover, de modo harmônica e equilibrada, o desenvolvimento sustentável econômico, social, cultural e político dos Estados-membros e da região. Formar o Sistema de Integração centro-americana sustentado em uma ordem institucional e jurídico, e fundamentado também no respeito mútuo entre os Estados-membros.

  • Faça menção ao autor quando digitar uma coisa que não é seu
  • Facilitar a pesquisa, a recuperação e o compartilhamento de recursos educacionais abertos
  • três Os Romanov
  • Concurso de subir uma foto com um hashtag
  • 5 TripAdvisor: Dez informações de manuseá-lo com sucesso
  • 1 Em finanças
  • dúvidas e respostas
  • Gerenciamento de caso-manutenção

A identidade Brasileira como manifestação ativa dos interesses regionais e a desejo de participar na consolidação da integração da Região. O gradualismo, especificidade e progressividade do procedimento de integração econômica, sustentado no desenvolvimento regional harmônico e equilibrado; e o tratamento especial para os países-membros de menor desenvolvimento relativo; a equidade e reciprocidade; e a Cláusula centro-americana de Exceção. A globalidade do recurso de integração e a participação democrática, no mesmo, de todos os setores sociais. A segurança jurídica das relações entre os Estados-Membros e a solução Pacífica de suas controvérsias.

O Tratado Geral de Integração Econômica centro-americana, assinado a treze de dezembro de 1960 (Tratado de Manágua) deu origem ao Mercado Comum centro-Americano (MCCA). Em vinte e nove de outubro de 1993, foi assinado o Protocolo ao Tratado Geral de Integração Econômica centro-americana (Protocolo de Guatemala), em que as partes se comprometeram a atingir, de modo voluntária, gradual, complementar e progressiva, a União Econômica centro-americana. Pra isso, constituíram o Subsistema de Integração Econômica, cujo corpo técnico e administrativo é a Secretaria de Integração Econômica centro-americana (SIECA), que tem tua sede na Guatemala.

em trinta de março de 1995, foi assinado o Tratado de Integração Social da américa Central, que organiza, regula a estrutura e o Subsistema Social, que compreende a área social do SICA. Foi constituído pra oferecer a coordenação, harmonização e convergência das políticas sociais entre si e com as demais políticas dos Estados-Membros do SICA.

Ainda de acordo com o seu tratado que instaura a sua sede necessita estar no Panamá, ela está nos escritórios da Secretaria-Geral do SICA, localizadas em Salvador. • Fortalecimento da institucionalidade regional. Por sua vez, os Chefes de Estado e de Governo reunidos em San Salvador, El Salvador, aprovaram um Plano de Ação, pra descomplicar as orientações técnicas e políticas destinadas a descomplicar o relançamento. A esse respeito, ensinaram ao Conselho de Ministros das Relações Exteriores e o Comité Executivo do SICA, pra que, de modo coordenada com a Secretaria Geral do SICA, a construir de modo imediata, as ações pertinentes. O diagrama seguinte dá a maneira que o Sistema de Integração centro-americana está estruturado atualmente. SANAHUJA, José Antonio. 2007. “Regionalismo e integração pela América Latina: balanço e possibilidades”, Pensamento ibero-Americano (nova era), monográfico “A nova agenda de desenvolvimento pela América Latina”, n.º 0, fevereiro de 2007, 0212-0208, pp.

1. LinkedIn é uma rede social pra exercício profissional, de forma que se espera que você se comporta como tal. O primeiro é completar por completo o seu perfil é teu cartão de exibição. Não fazê-lo diz de si que não se toma a sério as coisas. 2. A imagem nas redes sociais é fundamental, contudo no LinkedIn é como um check-up que ou você passa ou não passa, e você está fora.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima