Teresa De La Parra 2

Teresa De La Parra

Ana Teresa de la Parra Sanojo (Paris, cinco de outubro de 1889-Lisboa, vinte e três de abril de 1936), mais conhecida como Teresa de la Parra, foi uma escritora venezuelana, e uma aristocrata. É considerada uma das escritoras mais respeitáveis de sua época. Ainda que a vasto porção de tua vida transcorreu no estrangeiro, soube expressar na sua obra literária o lugar íntimo e familiar da Venezuela de sendo assim. De acordo com Rose Anna Mueller, De la Parra “, contou a tua educação e as suas experiências na Venezuela, em um novo modo livre do criollismo ou tipo pitoresco em voga pela data”.

se Envolveu no universo das letras da mão do jornalismo, escreveu 2 romances que a inmortalizaron em toda a América do Sul: Ifigenia e Memórias de Mãe Branca. Teresa de la Parra nasceu em 5 de outubro de 1889. Primeira filha de pais venezuelanos, Rafael Parra Hernaiz e Isabel Sanojo Ezpelosim de Parra.

  • Sistema de geração de namoro valores e alcances
  • Lua da Primavera (Paulo Flores)
  • 2 Relação com Philip J. Fry
  • Viaja neste sábado para concretizar sua contratação
  • Revisitando a história, os Nuggets
  • 1826-1839: Dona Eugenia Palafox portocarrero e de Guzmán e KirkPatrick

Teve cinco irmãos: 2 irmãos mais velhos, Luis Felipe e Miguel, e três irmãs menores, Isabelita, Elia, Maria do Pilar. Nasceu em Paris, em razão de pela data os pais localizam-se o superior vencedor dessa cidade: o seu pai, Rafael foi cônsul venezuelano em Berlim. A família voltou para a Venezuela quando, De la Parra prontamente tinha 2 anos de idade.

Sua família fazia divisão da aristocracia venezuelana e ao sector dos proprietários de terras. Em a fazenda de cana-Bacia, próxima a Caracas, passa tua infância. Tão provinciana existência trastoca 6 anos depois, ao morrer, de repente, teu pai. É uma criancinha de onze anos quando sua família decide fixar casa na Europa.

São instalados em Florianopolis, Brasil, e Teresa é internada em colégio religioso, Sagrado Coração de são paulo (Valência). Lá começa a expressar a tua ansiedade na poesia. Em 1910, os Parra Sanojo estão de volta em Caracas. Vivem numa casa de estilo colonial, situada entre as esquinas da Torre e Veroes. Em 1915, ante o pseudônimo de Fru-Fru, de la Parra publicou 2 contos “Um evangelho indiano: Buda e a leprosa” e “Flor-de-lótus: uma lenda japonesa”, no jornal ” O Universal. Provavelmente os outros contos nesse período não postadas até 1982, são “O eremita do relógio”, “O gênio do pesacartas” e “A história da senhorita grão de pó, bailarina do sol”.

Além do mais, em 1920, publicou na revista Atualidades, dirigido por Rómulo Gallegos, o teu “Diário de uma caraquenha pelo Extremo Oriente”, que na realidade é uma ficção baseada nas cartas enviadas por tua irmã, em numeroso viagens. Nesse mesmo ano, de la Parra, publicou “Mama ” X” no concurso nacional de contos promovido pelo jornal O Lutador, e obteve um preço especial.

Em 1923, mudou-se pra Paris. Um tanto depois, Ifigênia foi traduzido pro francês por Francis de Miomandre, um conhecido escritor. A frança e a América espanhola. Sua fama cresceu até tornar-se uma das escritoras mais sérias da américa Latina e colocar-se ao lado de Gabriela Mistral, com quem manteve uma estreita amizade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima